domingo, 11 de abril de 2010

Sobre amigos, amigos e amigos...

Ai ai... amigos! estava com saudade...
Parece que por aqui, depois do Carnaval, depois da Páscoa, as coisas se aquietam e passamos mais tempo dos finais de semana disponíveis para os encontros com amigos... pelo menos eu sinto assim...
Quando o final do ano se aproxima e a possibilidade de uns dias de férias também, logo pensamos em praia,  viagens ou em encontros e reencontros familiares... ótima época para tudo isso... fundamental... Mas eu andava com saudade de alguns amigos... amigos queridos, divertidos, alegres, leves... saudade de ter um tempo disponível para esses encontros...
Confesso também que tenho uma certa facilidade em me cansar de pessoas... e uma intolerância ao besteirol e aos encontros vazios e desnecessários...
Encontros de alma me encantam... encontros leves, divertidos, que nutrem cabeça e coração... Encontros sem hora marcada, sem cobrança, sem necessidade até... é só o simples encontro... só?! Isso me basta! Confio no destino, confio nos encontros do destino... para encontros verdadeiros o universo conspira...
Então entre leituras no final de semana me deparei com alguns textos que trouxeram a lembrança de amigos muito especiais, alguns encontro sempre (que bom!), outros não vejo há anos mas a lembrança de momentos felizes torna a distância insignificante...
Amigos queridos... obrigada por existirem... obrigada por compartilharem comigo momentos diveridos e dolorosos, alegrias e angústias... obrigada por tolerarem meu temperamento inquieto, meus questionamentos meu ritmo (as vezes presente, as vezes ausente!)...

Como amo Rubem Alves, não poderia deixa-lo fora deste tema... Que doçura nas palavras, quanta reflexão, quanta sensibilidade... então segue ai pedaços de um texto de um livro dele que eu amo: O Retorno e Terno!
"O encontro acontecera de repente, mas era como se já tivessem sido amigos a vida inteira. A experiência da amizade parece ter suas raízes fora do tempo, na eternidade. Um amigo é alguém com quem estivemos desde sempre.
Pela primeira vez, estando com alguém, não sentia necessidade de falar. Bastava a alegria de estarem juntos, um ao lado do outro."
"Amiga é aquela pessoa em cuja companhia não é preciso falar. Você tem aqui um teste para saber quantos amigos você tem. Se o silencio entre vocês dois lhe causa ansiedade, se quando o assunto foge você se poe a procurar palavras para encher o vazio e manter a conversa animada, então a pessoa com quem você está não é amiga. Porque um amigo é alguém cuja presença procuramos não por causa daquilo que se vai fazer juntos, seja bater papo, comer, jogar ou transar. Ate que tudo isso pode acontecer. Mas a diferença está em que, quando a pessoa não é amiga, terminado o alegre e animado programa, vem o silencio e o vazio – que são insuportáveis. Nesse momento o outro se transforma num incomodo que entulha o espaço e cuja despedida se espera com ansiedade. Com o amigo é diferente. Não é preciso falar. Basta a alegria de estarem juntos, um ao lado do outro. Amigo é alguém cuja simples presença traz alegria independentemente do que se faça ou diga. A amizade anda por caminhos que não passam pelos programas."

Esse aqui mesmo... eu adoro... totalmente verdadeiro! Queria ter sido eu, autora dessas palavras... mas não sou... o que não me impede de dividir isso por aqui:
"Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos.
Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim. Para isso, só sendo louco. Quero-os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças. Escolho meus amigos pela cara lavada e pela alma exposta. Não quero só o ombro ou o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis nem choros piedosos. Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice. Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto e velhos, para que nunca tenham pressa. Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que normalidade é uma ilusão imbecil e estéril."
(Oscar Wilde)
e só pra encerrar com o meu mais fave escritor de todos, queridissimo e amadissimo Rubem Alves:
"Diante do amigo sabemos que não estamos só. E alegria maior não pode existir!"
é isso... todos os meus verdadeiros amigos tornam minha vida mais completa, mais alegre... muito mais! Obrigada amigos queridos! Bjos com carinho em todos!

2 comentários:

Magridt Londrina/Brazil disse...

oie
amizade, é tudo de bom, é um presente de Deus em nossas vidas!
bjinho

Grasi e Ítalo disse...

Ui que saudades de ti que deu!!!! Lindo Manu....espero te encontrar logo.......

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails